Cidades Amigas do Design

“Design como linguagem comum para um mundo melhor”, “O design pode mudar o mundo se pensarmos menos sobre coisas e mais sobre pessoas”,  frases como essas vem permeando o 1º Fórum Internacional Cidades Amigas do Design, que busca a inovação e a inclusão social por meio do Design.

Como parte da extensa programação da Semana D, o evento, que começou nesta quarta-feira, 5, recebe especialistas internacionais em design que debatem os rumos e perspectivas do design urbano para o desenvolvimento das cidades. Curitiba, a capital paranaense que sedia o evento, está se preparando para ser “capital mundial do design” em 2018.

Na abertura do 1º Fórum Internacional Cidades Amigas do Design, o prefeito de Curitiba, Gustavo Fruet, disse que o papel do poder público é criar um ambiente favorável para estimular a economia criativa e o design como fatores determinantes no desenvolvimento da cidade. “Temos de atrair, priorizar, pensar em termos estratégicos. Curitiba tem uma bela história, mas não podemos viver como reféns do passado. Temos de avançar pensando no design como indutor do crescimento, propiciando a inovação e a inclusão social”, disse Fruet.

post_02c

Gustavo Fruet, prefeito de Curitiba, fala sobre a importância do design para a interação da cidade com as pessoas.

O prefeito usou como exemplo a opção política de tornar a cidade mais amigável para os cidadãos. “Nós estabelecemos a bicicleta como modal pensando num fator de identidade e transformação, para que as pessoas compreendam que o espaço público tem de ser compartilhado. Do mesmo modo, estamos buscando transformações na área de acessibilidade. Parece óbvio, mas é algo muito recente em nossa sociedade. E o design também passa por isso, nos ajudando a implantar um bem que não é material, mas, sim, cultural”, destacou Gustavo Fruet.

Já o presidente do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (IPPUC), Sérgio Póvoa Pires, lembrou que a determinação de trazer o design para a administração municipal está presente desde o início da gestão e teve como primeira iniciativa a criação das Tubotecas – as minibibliotecas instaladas nas estações tubo que possibilitam o empréstimo de livros para usuários do transporte coletivo. “Essa e outras iniciativas contribuem para que possamos tornar nossa cidade mais humana, mais criativa e mais participativa”, concluiu o presidente do IPPUC.

Alexandre Domakoski, presidente da Pró Design, destacou que a “Semana D” – evento do qual faz parte o Fórum – vai impactar mais de 100 mil pessoas de todo o Brasil. “Sabemos o quanto o design pode transformar pessoas, países, produtos e marcas. E o objetivo desse evento é mostrar como podemos contribuir de forma significativa”, enfatizou. A presidente do Centro Brasil Design, Letícia Castro, lembrou que Curitiba foi a primeira cidade brasileira a realizar um evento desse porte voltado à valorização do design. “Precisamos mostrar todo o potencial de nossos profissionais, sensibilizar os empresários e consolidar a posição de Curitiba no cenário nacional”, sublinhou Letícia Castro.

Por fim, Marcelo Júdice, da Gerênciade Inovação e Design da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), disse que a organização trabalha, atualmente, com 72 projetos setoriais – que vão do artesanato à produção de peças aeroespaciais – e todos têm no design um fator diferencial. “O design é fundamental para o desenvolvimento de bons produtos e para garantir espaço mercado externo. Esse é o melhor caminho para alavancar as exportações”, assegura Júdice.

post_02b

Importantes lideranças internacionais juntas em Curitiba: Maria Martynova, da Rússia, Mugendi M’Rithaa, da África do Su;, Richard Hsu, da China, Uday Athavankar, da Índia, e Izabela Sykta, da Polonia.

Design com tudo

A Cidade do Cabo, na África do Sul, é a atual detentora do título de Capital Mundial do Design e tem como mote o slogan “Design com tudo”. O especialista Mugendi M’Rithaa, recém-eleito presidente do Conselho Internacional das Sociedades de Desenho Industrial (ICSID), falou sobre a experiência da cidade sul-africana. “A Cidade do Cabo era uma referência internacional apenas por suas montanhas e sua beleza, mas nós queríamos mais. O título de Capital Mundial do Design está nos revelando ao mundo como uma cidade que investe no design para diminuir as desigualdades sociais, evitar a violência urbana e desenvolver a economia com ideias e produtos criativos e inovadores”, salientou Mugendi.

Nos últimos anos, o design ajudou a induzir o desenvolvimento em lugares tão distintos como Turim (Itália), em 2008, que adotou o slogan “Design através de tudo”; Seul (Coréia do Sul), em 2010, com o mote “Design para todos”; e Helsinque (Finlândia), em 2012, com o título “Design em tudo”. “Acreditamos no design para produzir um mundo melhor. E Curitiba tem todas as qualidades necessárias e a cultura para viver essa transformação”, afirmou Mugendi. Através de tudo, em tudo e para todos, o design pode trazer a Curitiba muito mais do que um título internacional, mas uma oportunidade inigualável de desenvolvimento sustentável e criativo pela união de esforços entre o poder público, empresas, academia e profissionais especializados.

Curitiba, capital Mundial do Design 2018

A realização do 1º Fórum Internacional Cidades Amigas do Design representa o primeiro passo na promoção da cidade de Curitiba para que a capital do Paraná possa concorrer ao título de World Design Capital (Capital Mundial do Design) em 2018. A cidade possui grande identificação com o tema e é internacionalmente reconhecida por inovações em planejamento urbano, mobilidade, sustentabilidade e conservação ambiental.

Sede de grandes instituições e eventos ligados ao design, Curitiba tem potencial para tornar-se um polo de atração e desenvolvimento nessa área, atuando de maneira sustentável e articulando os diversos agentes que atuam localmente. “A proposta é envolver e conectar todos os segmentos do design na cidade, valorizando projetos de várias frentes e buscando uma transformação qualitativa e abrangente do setor. Dessa forma, o movimento pela valorização do design deve englobar cultura, meio ambiente, educação e crescimento econômico, tendo as pessoas como o foco de todas as ações e a criatividade como estratégia impulsionadora do desenvolvimento sustentável”, destaca o presidente do IPPUC, Sérgio Póvoa Pires.

O esforço institucional para elevar Curitiba à condição de World Design Capital (Capital Mundial do Design) em 2018 vem sendo empreendido em parceria pelo IPPUC e Apex-Brasil. “Nós identificamos o potencial de Curitiba para uma iniciativa deste porte, além de vislumbrar os benefícios que este título pode trazer para a cidade e o para o Brasil, por meio da promoção e geração de negócios internacionais para o design brasileiro”, afirma o presidente da Apex-Brasil, Maurício Borges.

Fonte: ABCDesign

Escrito por

Ainda sem Comentários

Deixe uma resposta